Portal Manhuamirim

Saúde

07/05/2019

Combate ao Aedes Aegypti transmissor da Dengue, Zika e Chicungunya em Manhumirim

MANHUMIRIM (MG) - O assunto é sério. E está em nossas mãos ajudar a evitar. A gente ouve falar, mas na reunião da Câmara desta quinta-feira (02/05) Thiago Silva do Carmo, coordenador do setor de Epidemiologia de Manhumirim e Jouberth Italo de Faria, agente de combate a Endemias estiveram na tribuna da Câmara para fazer um alerta: “Temos casos em Manhumirim e precisamos agir já, agora, antes que a situação piore”, disse Jouberth. Os principais locais de focos estão nas residências. E há os veículos abandonados nas ruas, os lotes vazios, enfim, todo lugar e é preciso cuidado do poder público, mas principalmente de toda a população.

Os casos em Manhumirim

Ele mostrou a lista repassada pela Secretaria Municipal de Saúde, conseguida através de notificações do Hospital e dos PSFs e citou que cidades vizinhas têm casos, como Manhuaçu que está em estado de alerta.

Disse que aqui tem casos suspeitos de Dengue, como 1 caso no Bairro Nossa Senhora de Lourdes, 2 no Morada Nova, 2 no Vidal Soares, 1 no Santa Rita, 4 no Santo Antônio, 1 no Cidade Jardim, 1 no Bairro Mangueiras, 1 no Bairro Nossa Senhora Aparecida (antigo Vila Verde) e 2 no Bairro Vila Rita.

Há os casos confirmados, sendo 1 no Isidoro e 1 no Bairro Lourdes. Foi descartado 1 caso de Dengue no Bairro Nossa Senhora Aparecida, mas confirmado um caso de Zika vírus no Bairro Santo Antônio. Há um caso de Chikungunya sendo investigado, aguardando resultado do exame.

As ações de combate

Segundo eles disseram a Secretaria Municipal de Saúde aumentou o número de funcionários do setor de Vigilância Epidemiológica temporariamente para intensificar o combate e prevenção. “Estamos também com nossa equipe de bloqueio nos bairros confirmados e com suspeita onde há notificação em conjunto com a equipe do Hospital Padre Júlio Maria”, disse Jouberth.

Ele explicou que a ida à Câmara é para alertar a população, para que a informação chegue a mais pessoas. Eles já foram à Rádio fazer o alerta.

 “Apenas 10% de criadouros acontecem fora das casas, ou seja, 90% são nas casas e os moradores criam novos focos e o mosquito se prolifera”, explicou. E alertou que antes era em água limpa e parada, mas atualmente o mosquito está se adaptando: “A gente está encontrando mosquitos em água suja e até tambores que contém óleo, por isto muita atenção de todos”.

Os recipientes com maior índice, como eles orientaram: Tambores para uso de armazenamento de água, caixas d’água destampadas, calhas, vasos de plantas, garrafas, tampas de garrafas, pneus, piscina, ralo, lonas utilizadas para cobrir materiais e outros, e todo recipiente que fica com água parada é foco do mosquito.

O presidente da Câmara Anderson Dedé disse que o trabalho deste setor é árduo e que a Secretaria deve dar todo apoio porque é um assunto muito sério.

Os carros abandonados acumulam água das chuvas

O vereador João da Casa Franco disse que conversou com Jouberth sobre o Código de Posturas onde fala a respeito dos veículos que são abandonados nas ruas por tempo indeterminado e podem ser foco também. “Pedimos a colaboração dos proprietários destes veículos que estão há mais de 30 dias, e que a Prefeitura possa tomar providências, fiscalizando e notificando. Caso ele não seja retirado dentro de um prazo determinado, este veículo deve ser removido e o dono perder”, disse o vereador. 

Os lotes vazios

Jouberth disse que há os casos de lotes que precisam ser limpos, mas eles não podem invadir. Aí entram em contato com o dono.  “Se necessário, caso a pessoa não possa limpar, mas permita, a Prefeitura pode tentar fazer esta limpeza. Para isto agimos com outras secretarias competentes, pois nem tudo podemos resolver”.

Ele concluiu sua fala na Tribuna da Câmara aproveitando para anunciar que a vacinação antirrábica vai começar no dia 3 de junho e vai até o dia 18 de julho.

Assessoria de Imprensa da Câmara de Manhumirim